anterior
Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+Email this to someoneShare on Facebook
QR CODE

Criando cartão de visitas

capa

Cartões de visita são um instrumento fundamental em qualquer tipo de atividade, profissional ou autônoma. São ótimos para que contatos sejam estendidos para outras oportunidades, além de ser o material de divulgação mais prático e barato de todos, pois cabe em qualquer bolso ou carteira e o meio mais eficiente para divulgar seus produtos e serviços. É também uma ótima opção para quem quer desenvolver uma atividade remunerada com recursos próprios, pois a demanda por este tipo de trabalho é muito grande e independe de ramo ou de época.

A grande questão é: como fazer para produzir cartões de visita com qualidade? A seguir, daremos algumas dicas importantes sobre como se sair bem nessa área para criar um produto final de qualidade.

Um cartão de visita tem de causar uma boa apresentação inicial, pois na sociedade onde vivemos, a primeira impressão é a que fica. Sendo assim, neste Tutorial, mostrarei algumas regras para a sua criação, como tamanho, margens, posicionamento e espaçamento dos itens. Neste tutorial, utilizaremos o programa Corel Draw para criar uma arte simples. Você pode utilizar outros softwares como o Illustrator e até mesmo o Photoshop, mas independente da ferramenta, o importante é que observe as regras e padrões para obter um bom resultado final. O Corel Draw ainda é muito apreciado pelas gráficas devido a sua interface totalmente voltada às necessidades da indústria. Ainda que apresente algumas instabilidades, poderemos exportar o resultado final para que eventuais alterações sejam realizadas em outros programas, como verá no final do tutorial.

As medidas e as margens

Abra o programa e crie um novo documento (Arquivo > Novo, ou com o atalho Control+N). Insiras as seguintes propriedades na janela do documento:

  • Largura: 9,0 centímetros;
  • Altura: 5,0 centímetros;
  • Cores: CMYK
  • Resolução: 300 pixels/polegadas;

01 tela abertura

Para que entenda algumas das opções escolhidas inicialmente, você precisa saber que em gráficas, a impressão é feita por máquinas OFFSET. Neste tipo de impressora, as dimensões ideais da arte para cartão de visita são de 9,0 x 5,0 cms. Isso facilita tanto na montagem do filme (ou FOTOLITO, que é a matriz da impressão) quanto ao corte final, gerando uma grande economia em sobras de papel. A questão do tamanho e aproveitamento do papel tem grande importância, pois reflete diretamente no preço final. Cartão fora de tamanho pode significar um produto final mais caro e, portanto, preços menos competitivos, por isso respeite as medidas! Quanto a resolução de 300 pixels por polegadas, essa é a quantidade ideal de pixels para a impressão em gráficas. Qualquer outra resolução abaixo dessa influenciará negativamente na qualidade final!

Agora, vamos cuidar das margens. Nas gráficas, o tamanho padrão das margens internas é de 5 milímetros. Não se deve invadir essa área, pois as máquinas de corte – também chamadas de Guilhotinas pelas gráficas – não tem uma precisão de 100% na hora do corte final. Procure não invadir esse espaço, sob pena de perder algum elemento importante do cartão.

As margens também servem para dar elegância e equilíbrio ao conteúdo do cartão. O ideal é que todos os elementos se alinhem por elas, criando assim uma visualização harmônica do todo, facilitando a leitura.

O Corel Draw possui linhas guias que servem como referência para o posicionamento dos itens no documento. Para utiliza-las, clique com o cursor do mouse nas réguas do programa (nas partes superior e esquerda). Arrastando o cursor a partir delas, surgirão linhas pontilhadas que servirão para orientá-lo durante o trabalho. Crie linhas guia para os quatro lados do cartão. Vamos ajustar seu posicionamento pela barra de Propriedades, nas opções de X e Y (posição horizontal e vertical).

02 linhas guia 01

Para usar 05 milímetros de maneira exata, coloque os seguintes valores na caixa de propriedades de X e Y: linha guia esquerda com X de 0,5 cm; linha guia direita com X de 8,5 cms; Linha guia superior com Y de 4,5 cms e linha guia Inferior com Y de 0,5 cms. Isso criará uma margem interna no documento. Também é recomendável colocar linhas guias na borda do documento todo. O resultado final será igual esse:

02 linhas guia 02

02 linhas guia 03

Um detalhe importante e crucial (e que geralmente é ignorado pelas pessoas) é com relação às partes da arte que ultrapassam os limites do cartão, como os fundos ou enfeites. No meio gráfico, essas partes da arte são chamadas de sangramento e devem obedecer a um critério bastante preciso: devem ultrapassar o tamanho total do cartão em 05 milímetros além da borda. Essa é a medida segura para que não ocorram erros no corte. Para que nossa arte obedeça a esses requisitos, vamos criar margens do lado de fora do tamanho do cartão. Novamente, arraste linhas guia de 05 milímetros para FORA do tamanho do cartão e deixe o documento da maneira como você vê a seguir (novamente use X e Y para posiciona-las adequadamente):

02 linhas guia final

Pronto! Talvez você esteja achando tudo cheio de regras, mas lembre-se: essa é a melhor maneira de criar uma estrutura de um cartão de maneira correta. Procure salvar este documento e guarde-o como uma base para futuras criações, utilizando-o sempre que necessário, assim não terá de se preocupar novamente com tantos detalhes.

Formas, Cores e Logotipo

Depois de criado o espaço útil, deveremos escolher quais serão as cores padrões do seu cartão (lembrando que faremos um cartão limpo, com cores leves e de fácil visualização e identificação).

Se desejar, utilize as ferramentas de formas prontas, como a ferramenta Retângulo, para criar formas para o cartão. Ou use ainda as ferramentas Bezier e Forma, como preferir. Crie uma ou mais formas, de acordo com a sua preferência (e não esqueça que se você quiser que elas “sangrem” os limites do cartão, elas devem ultrapassar o tamanho original do cartão em 05 milímetros, como informamos anteriormente).

03 Forma 01

Nas opções de Preenchimento na Barra de Propriedades, escolha a cor da sua preferencia, que pode ser sólida ou mesmo gradiente. Procure usar como base as cores do logotipo da empresa para a qual está fazendo o cartão. Isso criará uma identificação com todo o resto e uma harmonia visual agradável.

03 Forma 02

Importante: procure observar se você está utilizando a paleta de cores CMYK do programa. Esse padrão de cor é o padrão das gráficas e todos os textos e gráficos devem ser criados utilizando as cores dessa paleta. Para ativá-la, vá até o Menu Principal, opção janelas e marque Paleta de Cores > Cores CMYK padrão.

04 cores CMYK

Agora, você pode inserir o logotipo de sua empresa. A regra de ouro para o logotipo é sempre inseri-lo no canto superior esquerdo do cartão. O ser humano ocidental lê da esquerda para direita e de cima para baixo. Em virtude disso, esse é o ponto para a área do cartão que a vista é atraída. É o espaço mais valioso do cartão. Nesse caso utilizei um logotipo simples, que combina com a estética do cartão. Caso não possua um, você pode ver algumas dicas do Blog de como criar um logotipo profissional.

05 Logotipo

Em seguida, com a ferramenta Texto da Barra de Ferramentas lateral, inclua todas as informações básicas. Não clique e arraste a ferramenta: isso criará uma caixa de texto, e elas não são recomendáveis para palavras ou poucas linhas de informação. Apenas clique e digite livremente, utilizando a ferramenta Mover para reposicionar os elementos. Escreva o nome da pessoa (o proprietário ou diretor da empresa) sempre no centro vertical e horizontal do cartão. Não é uma regra que deva ser seguida a todo custo, os designers costumam brincar um pouco com isso, inventando novas formas de posicionar o texto. Você também pode fazer isso. Neste tutorial, optamos pela forma mais simples pensando nas pessoas que estão tendo um primeiro contato com este tipo de trabalho.

06 Nome

Importante: o cartão sempre deve informar os dados mais relevantes da empresa sem deixar nada importante de fora. Deve ser objetivo e preciso, por uma questão prática – ser visualizado rapidamente – e estética – o espaço reduzido. Dê destaque para o nome da empresa ou do profissional ao lado do Logotipo. Depois, respeitando o espaçamento, escreva o  endereço, telefones de contato, e-mail, e website, se houver. Para fazer uma outra linha, use novamente a ferramenta de Texto ou aperte a tecla “+” no seu teclado e faça uma cópia da linha original selecionada, modificando-a em seguida com ferramenta Texto. Aperte a tecla “P” em seu teclado para centralizar um item no espaço vertical e horizontal do cartão.

08 Endereço

Uma frase ou um slogan da empresa e o celular são dados adicionais sempre bem-vindos. Considere com cuidado se deseja incluir outros dados. É importante que todas as informações estejam na mesma face do cartão, para que nada seja ignorado.

Fontes e seus tamanhos: qual usar?

Utilizar letras corretamente é um desafio, requer um bom tempo de prática ou um bom tempo testando as opções mediante ao layout a ser aplicado. Combinar fontes de modo harmônico pode ser mais difícil do que se imagina.

A primeira questão está ligada a legibilidade, que é a capacidade do usuário em conseguir ler o que está escrito. Utilize fontes simples e claras para o texto do cartão. Isso auxiliará pessoas de 8 a 80 anos a compreender o que está escrito. A segunda questão também está ligada a legibilidade, e é o tamanho da fonte. Uma fonte pequena pode trazer problemas de leitura tanto quanto a presença de detalhes em exagero. Para cartões de visita, procure não utilizar tamanho de letra abaixo de 9. Por fim, outra questão delicada é com relação ao uso de fontes incomuns. Ao escolher uma fonte que não seja padrão do computador, deverá enviá-las à gráfica junto com o seu trabalho, ou correrá o risco de que tudo seja modificado na abertura do arquivo na hora da impressão. Outra boa sugestão é transformar as fontes em curvas, selecionando o texto e utilizando o atalho “Control+Q” (ou no menu Organizar > Converter em Curva) para converter a fonte em gráficos vetorizados.

Importante: salve uma cópia do documento (Control+Shift+S ou Arquivo > Salvar como) antes de converter em curvas, caso queira fazer alguma alteração no texto em um futuro próximo, pois ao converter o texto em curva ele perde sua capacidade de ser editado.

11 Curvas

Agora, o seu cartão de visitas está praticamente pronto. Existem modelos mais simples, impressos apenas de um lado e outros impressos frente e verso. Você pode criar um verso para o seu cartão, utilizando os conhecimentos que adquiriu e respeitando a estética que criou. Nele, poderá colocar o logotipo e o nome da empresa em destaque. Não coloque informações adicionais: todas as informações relevantes devem ficar na mesma face, como dito anteriormente. Muitas pessoas simplesmente se esquecem de virar o cartão e por isso não percebem que existem dados a serem lidos do outro lado… :/

Se desejar, adicione também algum efeito, utilizando-o de forma clara e limpa. Lembre-se: menos é mais! Simplicidade é a chave, e idealmente deve haver espaço sobrando para que alguém possa fazer anotações no seu cartão sobre a conversa que teve com você. Não tente sobrecarregar o cartão com elementos desnecessários.

Salvar e Exportar a arte para a Gráfica

Com o cartão finalizado e corrigido pelo cliente, você deve, preferencialmente, enviar o arquivo .CDR (do Corel Draw) para a Gráfica. mas uma outra boa sugestão é exportá-lo em .EPS (Encapsulated Post Script). Neste formato de arquivo, sua arte poderá ser aberta em outro programa vetorial (como o Illustrator) ou mesmo um programa de edição de Bitmaps (como o Photoshop).

Para exportar seu trabalho como EPS, use o atalho “Control+E” (ou no menu principal, clique em Arquivo > Exportar). Escolha a opção “EPS – Encapsulated Popst Script” no tipo de arquivo e clique em “Exportar”.

12 eps 01

Em seguida, surgirá uma janela de diálogo com as opções avançadas da Exportação. Escolha a saída de cores como CMYK, Resolução de 300 dpi, Exportar o texto como Texto (caso queira deixar o texto como editável – e não esqueça de clicar em Incluir fontes, se essa for a sua escolha) ou ainda em Curvas (caso não queira permitir alteração).

12 eps 02

Na segunda aba da janela, nas opções Avançadas, escolha as opções “Preservar configurações de impressão sobreposta de documento”; “Impressão sobreposta de preto sempre” (para que a cor preta seja sempre a cor de sobreposição final, comum em gráficas), coloque Limite de Sangramento em 0,5 e Marcas de corte (que auxiliarão na visualização da área de corte final do cartão). Deixe a opção Caixa delimitadora para Página e por fim, marque também o Aumento automático de etapas de gradiente, para evitar estriamento de cores. Em seguida, clique em OK e salve o documento.

12 eps 03

Com ambos os arquivos salvos (CDR e EPS), você poderá envia-los tranquilamente para a impressão na Gráfica, sem sustos ou desconfiança de que algo está errado. Com relação ao layout, você pode alterar as cores e a diagramação, mas sempre respeitando as regras de margens, espaçamento e posição dos dados que aprendeu aqui. O importante é alcançar um resultado agradável, equilibrado e, sobretudo, respeitando as normas para esse tipo de trabalho.

artes diversas

Espero que tenham gostado do tutorial, não se esqueça de compartilhar com seus amigos e de enviar mais sugestões futuras de posts sobre o assunto. Até a próxima postagem!

Próximo

Postado por

Postagem Relacionada

lu (14)
Photoshop: laranja ou maçã?
Fotomontagem no Photoshop Hoje preparei um tutorial de fotomontagem bem interessante: é de uma maçã