anterior
Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInShare on Google+Email this to someoneShare on Facebook
QR CODE

Bancos de dados nas redes sociais

Oi pessoal! Neste post irei comentar sobre a importância de alguns bancos de dados nas redes sociais. Hoje em dia muito utilizado por empresas, ou até mesmo por pessoas que utilizam a internet para divulgação de produtos.

CAPA

Como comentei anteriormente, as empresas, principalmente as de mídia utilizam as informações dos usuários na internet, como por exemplo: preferências de filmes, quais os produtos que mais acessam em um site, quais o estilos de jogos que mais faz download, etc, e utilizam essas informações para anunciar seus produtos ou serviços para um público específico.

Como podemos notar, hoje em dia as redes sociais estão no auge, milhões de pessoas em todo o planeta compartilham ou buscam informação a cada segundo, tudo que o usuário produz na internet é uma boa matéria prima (informação) para as grandes empresas. As pessoas estão a todo o momento conversando sobre seus gostos, interesses, hábitos, produtos favoritos e frustrações. E muitas empresas utilizam essa informação para ouvir e filtrar essas informações e utilizar de maneira proveitosa, gerando produtos para o seu público alvo.

Para se aprofundar mais nesse assunto, irei comentar sobre alguns bancos de dados que são utilizados para filtrar as informações dos usuários. Podemos utilizar o sistema de bancos de dados de grafos ou relacionais.

Banco de dados de grafos: são modelos de dados que armazenam e tem grande facilidade em manipulação e na estrutura de dados, com características de ligações entre pontos. Para armazenar as informações, o banco de dados em grafo pode utilizar estruturas de dados: vetores ou listas encadeadas.

Banco de dados relacionais: um banco de dados relacional organiza seus dados em relações. Cada relação pode ser vista como uma tabela, onde cada coluna corresponde a atributos da relação e as linhas correspondem às duplas ou elementos da relação. Muitas vezes as duplas são denominadas registros e os atributos, campos.

OBS.: Ao usar bancos de dados de grafos em vez de relacionais para armazenar as estruturas de dados que descrevem as redes sociais, é possível obter mais rapidamente respostas a questões importantes, como que tipo de músicas o amigo do amigo do amigo prefere, ou se alguém de um filme caseiro participou de um filme de Kevin Bacon.

 

Banco de dados de grafos

Acima vimos que um banco de dados em grafos são modelos de dados que armazenam e tem grande facilidade em manipulação e na estrutura de dados, com características de ligações entre pontos.

Mas antes disso vamos entender alguns detalhes: um ponto 1 se conectar com 2, e 2 se conectar com 1, então podemos dizer que temos um grafo, um grafo que possui dois vértices (1 e 2) e uma aresta, que é representada pela ligação entre o ponto 1 e 2. Na verdade, como estamos direcionando os pontos, estamos falando de uma subdivisão dos grafos chamados dígrafo, que significa grafos direcionados. Assim, o ponto 1 poderia ligar-se com 2, mas o ponto 2 não poderia ligar com o ponto 2. Grafos são sempre bidirecionais, ou seja, se 1-> 2, então 2->1.

Para entendermos melhor vamos ver o problema abaixo:

Imagine que tenha que desenvolver um programa que terá que armazenar informações de locomoção de usuários.

foto-01

 

O mesmo problema com o modelo de grafo:

 

foto-02

Se analisarmos o grafo, podemos saber quem se locomoveu para o mesmo lugar que o Eduardo, basta analisarmos os relacionamentos de saída do usuário ou de qualquer um deles.

Banco de dados relacional

Um banco de dados relacional é um banco de dados que segue o Modelo Relacional, ou seja, é um conceito abstrato que define maneiras de armazenar, manipular e recuperar dados estruturados unicamente na forma de tabelas, construindo um banco de dados.

Os bancos de dados relacionais foram desenvolvidos para facilitar o acesso aos dados, possibilitando que os usuários utilizassem uma grande variedade de opções no tratamento das informações. A linguagem padrão dos bancos de dados relacionais é a Structured Query Language, ou simplesmente SQL, como é mais conhecida.

Mas em um banco de dados relacionais para redes pode ser muito caro, ou até inviável. Imagine o cenário do Orkut, onde temos o relacionamento amigos-em-comum ou o amigos-dos-amigos. Agora tente pensar na estrutura de uma consulta SQL em tabelas deste porte para obter os dados. Mas para ajudar podemos utilizar o NoSQL (Not Only SQL). Os bancos de dados NoSQL surgiram com o intuito de resolver os problemas de escalabilidade encontrados nos bancos relacionais, onde a medida que o volume de dados crescia, mais dificuldade encontrava para buscar informações especificas.

Algumas características dos bancos de dados NoSQL são:

Schema-less ou schema free: As informações inseridas no banco de dados não precisam obedecer a um esquema de tabela e de colunas. O desenvolvedor também não precisa se preocupar em ter que adicionar uma coluna no banco de dados sempre que a aplicação for modificada;

Distribuídos: podem ser distribuídos em vários servidores;

Não relacionais: as tabelas não possuem relacionamentos;

Horizontalmente escaláveis: permite distribuir os dados em vários servidores com tolerância a falhas;

Consistência eventual: o sistema de banco de dados garante que se nenhuma atualização for feita no objeto, todos os acessos retornarão o valor que está gravado.
Espero que tenham gostado e até uma próxima e não se esqueçam de mostrar para seus amigos e curtir o post!

 

Próximo

Postado por

Professor de Informática da Escola Microcamp de Praia Grande, desde 2009. Formado em Técnico em Informática na Escola Técnica Adolpho Berezin e Bacharelado em Sistemas de Informações na Faculdade do Litoral sul Paulista. Lecionar é o que me motiva todos os dias e tenho muito orgulho de fazer parte da família Microcamp. “Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina” – Cora Coralina

Postagem Relacionada

OCULTANDO MENUS NO ACCESS
Olá pessoal, tudo bem? Hoje vamos aprender como ocultar o menu no Access, deixando nosso